27 de ago de 2010

Onde mora o coração - Filme

            Acabo de assistir ao filme 'Onde mora o coração', que conta a estória de uma garota de 17 anos abandonada grávida pela família e namorado, mas que acaba reconstruindo sua vida a duras penas com a ajuda de pessoas excêntricas e maravilhosas.


           Novalee (foto) tem 17 anos, sem família, abandonada pelo namorado e grávida. Qualquer pessoa se desesperaria se estivesse na mesma situação; entretanto, Novalee é uma jovem de muita garra e, acima de tudo, bom coração. Sem dinheiro e sem lugar para ir, Novalee se vê obrigada a morar num famoso supermercado americano: Wal Mart, onde, mais tarde, dá a luz à sua filha Americus. A partir daí, a mídia sensacionalista americana batiza Novalee e Americus de 'Mamãe e bebê Wal-Mart'. Com isso, Novalee conhece novos amigos e passa a fazer parte de uma não-convencional família que irá ajudá-la a se transformar de uma adolescente sem-teto para uma forte mulher de sucesso.

           Esta foi a sinopse, mas o que eu realmente quero fixar é um assunto que o filme também retrata, mas que acaba sendo de forma bem menos aparente, por ser um drama/romance. Falo do perdão, tão em falta nesses tempos em que vivemos. No filme, a protagonista, abandonada pela mãe e pelo namorado, acaba perdoando ambos pelas falhas do passado; entretanto, por mais sincero e emocionado que tenha sido o perdão concedido, a mãe da garota não consegue abdicar seus antigos hábitos como a mesquinhez e a covardia, abandonando-a novamente e levando todo o seu dinheiro. -Creio que o escritor do filme quis mostrar que, por mais que sejamos amáveis, sempre existirão aquelas pessoas irrecuperáveis, cujo coração já não conhece mais o sentimento, por estar muito acostumado à ambição e outras distorções de valores-

          Além do perdão, existe a capacidade de superação ou resiliência, que é muito bem ilustrada na figura de uma adolescente americana, pobre e grávida que se transforma em uma fotógrafa de prestígio e sucesso.

          Desta forma, convido a todos a assistir este filme, que não é um clássico ou uma memorável super-produção, mas que vale muito a pena, pois nos ensina - ou melhor - nos relembra, antigos valores que deixamos cair pelo caminho.

P.S: O número cinco (que me persegue há muitos anos) tem uma importância especial no filme, o que me fez gostar mais ainda de assisti-lo. 

Espero que tenham se interessado e assistam ao filme, garanto que não vão se arrepender. Ah.... e voltem aqui para contar como foi a experiência! ; )

-Bom final de semana!-

(Só para constar, hoje estava nascendo uma pessoa que amo muito: @alberthmoreira, poderia fazer um post, mas isso seria muito, muito, muito pouco perto do que ele realmente merece, então, me limito a dizer que quero muito te ver ainda hoje. Te amo.)


Homenagem no facebook

          
             É, de certa forma, injusto criar um álbum para as personalidades históricas, visto que é impossível reunir todas as pessos que contribuiram para o crescimento cultural do mundo sem que deixemos de lado alguns outros nomes conhecidos, mas não menos importantes. Desta forma, aqui estão relacionados apenas algumas personalidades lendárias em seus mais diversos seguimentos culturais: música, dança, escrita, arquitetura, etc.

             Espero que gostem desta homenagem! (AQUI)

P.S.: Não é necessário ter conta no facebook.

21 de ago de 2010

...



É, Marvin... Você perdeu para mim esta noite.
Sem cor. Sem dó. Sem sombra. Sem sabor. Sem rumo. Sem história. Sem plano de fundo. Sem palpite. Sem caminho. Sem saída. Sem alternativa. Sem piedade. Sem paciência. Sem gosto. Sem vida. Sem tempo. Sem consequência. Sem ato. Sem atitude. Sem poesia. Sem repercussão. Sem passagem. Sem viagem. Sem estadia. Sem céu. Sem lua. Sem sangue. Sem emoção. Sem batimentos. Sem livros. Sem olhos. Sem mãos, mas Tem amor. Tem amor. Tem amor. Tem amor. Tem amor. Tem amor. Tem amor e mais um pouco.

.................................................... ............................................................ .................................................


Querido diário,

Estou triste comigo. O que eu faço para mudar coisas que não gosto em minha personalidade?

14 de ago de 2010

Dançar é...


O beijo do esquecimento
A poesia ao vento
Abraço ao relento
Transbordando sentimento

A falta do ter
A complexidade de ser
O não querer
Viver um simples viver

A chama de amar
O frio a secar
Lágrimas caindo sem chorar
Eternamente a dançar...

12 de ago de 2010

O tempo


Tempo não é dinheiro, nem dádiva; tempo é sabedoria e criatividade
Por isso, utilize seu tempo da melhor maneira possível, para que não chegue ao ponto de ter tempo, mas não saber como aproveitá-lo. 


P.S.: Segunda-feira (16) começam as aulas e eu estou preocupada com meu tempo. Por isso, o conselho do post de hoje foi, sobretudo, para mim. Contudo, esperam que saibam aproveitá-lo, também. =*

4 de ago de 2010

E se eu te disser que és um guerreiro?



            É massacrante realizar algumas tarefas, todos os dias, da mesma maneira. A tal rotina realmente nos reduz a pó, pois nós, seres humanos, somos perfeitamente capazes de desempenhar as mesmas tarefas com perfeição, entretanto, este ato não nos dá espaço para pôr em prática o que temos de melhor: a criatividade. Por isso, quando somos obrigados a cumprir afazeres e participar de fatos comuns ao decorrer do dia, sem que precisemos alfinetar nossa criatividade para tal, sentimo-nos, inevitavelmente, desvalorizados. 

       Dito isto, levanto uma bandeira a favor dos 'sem-rotina', que são pessoas comuns: advogados, terapeutas, estudantes, psicólogos, professoras, alunos, pais, faxineiros, donas de casa e qualquer um que você puder imaginar, entretanto, diferem-se sensivelmente das demais pessoas, pois realizam com amor tudo que fazem, são criativos e oportunos, sabem enxergar uma boa proposta de emprego, assim como sabem atrasar uma reunião, com prazer, simplesmente para observar o pôr do sol. 

           Naturalmente, não vai parecer que eles estão sujeitos a cair no habitual, entretanto, os ‘sem-rotina’ são tão suscetíveis à monotonia quanto nós, a diferença é que eles escolheram trilhar um caminho novo de vencer os dias, tornando-se guerreiros. Pode parecer loucura, mas se pensarmos com mais coração e menos razão, veremos que, quando acordamos pela manhã, sinalizamos que estamos prontos a mais uma batalha e quando finalmente dormimos (muitas vezes tarde e exaustos), declaramos que, assim como os grandes guerreiros medievais, vencemos mais uma dura batalha.

           Neste dormir e acordar diariamente se formam os verdadeiros guerreiros do nosso século, pois apenas eles sabem o quanto é árduo vencer os dias, mas também são sábios o suficiente para reconhecer que cada dia da sua vida é sutilmente especial, o que dá um gosto totalmente mágico à vida.

            Desta forma, se trocarmos as espadas e escudos antigos pelo amor à vida, criatividade e observação, estaremos preparados para levantar todas as manhãs sem traumas da batalha do dia anterior, mas sim renovados e cheios de força para o dia que começa. Seremos, enfim, guerreiros. 


Que tal inovar a partir de hoje?








27 de ago de 2010

Onde mora o coração - Filme

            Acabo de assistir ao filme 'Onde mora o coração', que conta a estória de uma garota de 17 anos abandonada grávida pela família e namorado, mas que acaba reconstruindo sua vida a duras penas com a ajuda de pessoas excêntricas e maravilhosas.


           Novalee (foto) tem 17 anos, sem família, abandonada pelo namorado e grávida. Qualquer pessoa se desesperaria se estivesse na mesma situação; entretanto, Novalee é uma jovem de muita garra e, acima de tudo, bom coração. Sem dinheiro e sem lugar para ir, Novalee se vê obrigada a morar num famoso supermercado americano: Wal Mart, onde, mais tarde, dá a luz à sua filha Americus. A partir daí, a mídia sensacionalista americana batiza Novalee e Americus de 'Mamãe e bebê Wal-Mart'. Com isso, Novalee conhece novos amigos e passa a fazer parte de uma não-convencional família que irá ajudá-la a se transformar de uma adolescente sem-teto para uma forte mulher de sucesso.

           Esta foi a sinopse, mas o que eu realmente quero fixar é um assunto que o filme também retrata, mas que acaba sendo de forma bem menos aparente, por ser um drama/romance. Falo do perdão, tão em falta nesses tempos em que vivemos. No filme, a protagonista, abandonada pela mãe e pelo namorado, acaba perdoando ambos pelas falhas do passado; entretanto, por mais sincero e emocionado que tenha sido o perdão concedido, a mãe da garota não consegue abdicar seus antigos hábitos como a mesquinhez e a covardia, abandonando-a novamente e levando todo o seu dinheiro. -Creio que o escritor do filme quis mostrar que, por mais que sejamos amáveis, sempre existirão aquelas pessoas irrecuperáveis, cujo coração já não conhece mais o sentimento, por estar muito acostumado à ambição e outras distorções de valores-

          Além do perdão, existe a capacidade de superação ou resiliência, que é muito bem ilustrada na figura de uma adolescente americana, pobre e grávida que se transforma em uma fotógrafa de prestígio e sucesso.

          Desta forma, convido a todos a assistir este filme, que não é um clássico ou uma memorável super-produção, mas que vale muito a pena, pois nos ensina - ou melhor - nos relembra, antigos valores que deixamos cair pelo caminho.

P.S: O número cinco (que me persegue há muitos anos) tem uma importância especial no filme, o que me fez gostar mais ainda de assisti-lo. 

Espero que tenham se interessado e assistam ao filme, garanto que não vão se arrepender. Ah.... e voltem aqui para contar como foi a experiência! ; )

-Bom final de semana!-

(Só para constar, hoje estava nascendo uma pessoa que amo muito: @alberthmoreira, poderia fazer um post, mas isso seria muito, muito, muito pouco perto do que ele realmente merece, então, me limito a dizer que quero muito te ver ainda hoje. Te amo.)


Homenagem no facebook

          
             É, de certa forma, injusto criar um álbum para as personalidades históricas, visto que é impossível reunir todas as pessos que contribuiram para o crescimento cultural do mundo sem que deixemos de lado alguns outros nomes conhecidos, mas não menos importantes. Desta forma, aqui estão relacionados apenas algumas personalidades lendárias em seus mais diversos seguimentos culturais: música, dança, escrita, arquitetura, etc.

             Espero que gostem desta homenagem! (AQUI)

P.S.: Não é necessário ter conta no facebook.

21 de ago de 2010

...



É, Marvin... Você perdeu para mim esta noite.
Sem cor. Sem dó. Sem sombra. Sem sabor. Sem rumo. Sem história. Sem plano de fundo. Sem palpite. Sem caminho. Sem saída. Sem alternativa. Sem piedade. Sem paciência. Sem gosto. Sem vida. Sem tempo. Sem consequência. Sem ato. Sem atitude. Sem poesia. Sem repercussão. Sem passagem. Sem viagem. Sem estadia. Sem céu. Sem lua. Sem sangue. Sem emoção. Sem batimentos. Sem livros. Sem olhos. Sem mãos, mas Tem amor. Tem amor. Tem amor. Tem amor. Tem amor. Tem amor. Tem amor e mais um pouco.

.................................................... ............................................................ .................................................


Querido diário,

Estou triste comigo. O que eu faço para mudar coisas que não gosto em minha personalidade?

14 de ago de 2010

Dançar é...


O beijo do esquecimento
A poesia ao vento
Abraço ao relento
Transbordando sentimento

A falta do ter
A complexidade de ser
O não querer
Viver um simples viver

A chama de amar
O frio a secar
Lágrimas caindo sem chorar
Eternamente a dançar...

12 de ago de 2010

O tempo


Tempo não é dinheiro, nem dádiva; tempo é sabedoria e criatividade
Por isso, utilize seu tempo da melhor maneira possível, para que não chegue ao ponto de ter tempo, mas não saber como aproveitá-lo. 


P.S.: Segunda-feira (16) começam as aulas e eu estou preocupada com meu tempo. Por isso, o conselho do post de hoje foi, sobretudo, para mim. Contudo, esperam que saibam aproveitá-lo, também. =*

4 de ago de 2010

E se eu te disser que és um guerreiro?



            É massacrante realizar algumas tarefas, todos os dias, da mesma maneira. A tal rotina realmente nos reduz a pó, pois nós, seres humanos, somos perfeitamente capazes de desempenhar as mesmas tarefas com perfeição, entretanto, este ato não nos dá espaço para pôr em prática o que temos de melhor: a criatividade. Por isso, quando somos obrigados a cumprir afazeres e participar de fatos comuns ao decorrer do dia, sem que precisemos alfinetar nossa criatividade para tal, sentimo-nos, inevitavelmente, desvalorizados. 

       Dito isto, levanto uma bandeira a favor dos 'sem-rotina', que são pessoas comuns: advogados, terapeutas, estudantes, psicólogos, professoras, alunos, pais, faxineiros, donas de casa e qualquer um que você puder imaginar, entretanto, diferem-se sensivelmente das demais pessoas, pois realizam com amor tudo que fazem, são criativos e oportunos, sabem enxergar uma boa proposta de emprego, assim como sabem atrasar uma reunião, com prazer, simplesmente para observar o pôr do sol. 

           Naturalmente, não vai parecer que eles estão sujeitos a cair no habitual, entretanto, os ‘sem-rotina’ são tão suscetíveis à monotonia quanto nós, a diferença é que eles escolheram trilhar um caminho novo de vencer os dias, tornando-se guerreiros. Pode parecer loucura, mas se pensarmos com mais coração e menos razão, veremos que, quando acordamos pela manhã, sinalizamos que estamos prontos a mais uma batalha e quando finalmente dormimos (muitas vezes tarde e exaustos), declaramos que, assim como os grandes guerreiros medievais, vencemos mais uma dura batalha.

           Neste dormir e acordar diariamente se formam os verdadeiros guerreiros do nosso século, pois apenas eles sabem o quanto é árduo vencer os dias, mas também são sábios o suficiente para reconhecer que cada dia da sua vida é sutilmente especial, o que dá um gosto totalmente mágico à vida.

            Desta forma, se trocarmos as espadas e escudos antigos pelo amor à vida, criatividade e observação, estaremos preparados para levantar todas as manhãs sem traumas da batalha do dia anterior, mas sim renovados e cheios de força para o dia que começa. Seremos, enfim, guerreiros. 


Que tal inovar a partir de hoje?